• Tokyo 2020

    Um breve inquérito sobre os Jogos Olímpicos

    No dia 8 de agosto, foi realizada a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, uma edição que, sem dúvida, tem sido marcada pela conjuntura atual, mas também pelo peso de grandes momentos e uma grande e ativa conversa nas redes.

    Graças à escuta social, podemos medir aqueles temas que geraram um sentimento mais negativo ou positivo, aqueles que mais geraram interações e menções, e como o público tem percebido os Jogos Olímpicos e os seus destaques em geral.

    Neste pequeno estudo de visão geral, escolhemos concentrar-nos na rede social mais focada em conversas, o Twitter, para ver o impacto real de muitos dos pontos altos destes Jogos Olímpicos. No entanto, incluímos dados gerais de outras redes para fornecer uma visão global.

    Unos jogos diferentes

    Que foram uns jogos peculiares é algo que não escapa a ninguém. A pandemia obrigou-os a serem realizados em 2021 em vez de 2020, não tiveram audiência, o que acarreta perdas para o país japonês e, no entanto, foram jogos com grande presença nas redes.

    Tóquio 2020 também foi a primeira edição a apresentar competições como Karatê, escalada ou skate, iniciando a era em que o país-sede pode definir algumas competições e dispensar outras.

    A Representação Importa

    A visibilidade da discriminação, do coletivo LGTBIQ +, da importância da saúde mental, etc. tem sido sem dúvida um dos pontos fortes destes jogos, gerando um nível de conversação muito elevado mas também de grande qualidade, graças às discussões proporcionadas.

    A importância de falar e aumentar a conscientização sobre essas questões é incrivelmente bem representada pelo aumento das conversas sobre saúde mental após a retirada temporária da favorita dos Estados Unidos, Simone Biles, dos jogos.

    Social Listening  mental health peak – Synthesio

    A conversa sobre saúde mental gerou uma série de menções, tanto negativas quanto positivas, que tiveram repercussão nos media. Os últimos fizeram barulho acerca de como a pressão afeta a saúde mental não só de atletas de elite, mas também de profissionais, principalmente no contexto social e económico atual, e como isso afeta os jovens.

    Por este motivo, destaca-se que o termo “saúde mental” é sem dúvida um dos mais utilizados internacionalmente em relação aos jogos de Tóquio 2020. Além disso, no gráfico que se destaca a seguir pode-se observar claramente que 90% das expressões mais utilizadas estão relacionadas à saúde mental e às mulheres jovens, principalmente as de cor.

    Top expresiones.

    No entanto, como mencionado acima, a saúde mental não tem sido o único ponto-chave desses jogos. A visibilidade LGBT + tem sido outro dos tópicos mais comentados e celebrados dos jogos de Tóquio.

    Quando falamos sobre a comunidade LGBTIQ + no mundo do desporto olímpico, sem dúvida uma das vozes mais proeminentes é a de Tom Daley, o saltador de trampolim britânico que sempre foi muito claro sobre sua sexualidade e muito vocal sobre a discriminação contra o coletivo .

    A sua declaração poderosa “Eu sou um homem gay e também um campeão olímpico” * repercutiu fortemente em tudo o que ele representa.

    Tom Daley

    Também tem havido vozes negativas em relação à representação LGBT + pelos grupos mais conservadores, especialmente quando se trata de atletas trans. No entanto, muitos outros mostraram seu apoio à comunidade trans em geral e os mais bem informados lembraram às massas que uma das medidas médicas realizadas nos jogos é a da testosterona.

    Além disso, nesses jogos houve representação não binária, o que também recebeu críticas negativas de quem criticava a participação do coletivo trans. Porém, o que realmente chama a atenção é a naturalidade e a visibilidade positiva que isso representa para milhões de pessoas.

     

     

    Os jogos olímpicos mais jovens

    Tóquio 2020 também foi marcada pelo número de competidores com menos de 18 anos. Destaca-se, especialmente, a recente adição da competição de skate, onde os pódios foram ocupados por alguns dos atletas mais jovens da história.

    Rayssa Leal, Momiji Nishiya, Sky Brown,… São muitos os nomes de jovens atletas que deixaram a sua marca pela sua resiliência, espírito desportivo, profissionalismo e companheirismo perante os representantes de outros países.

    Rayssa Leal

    Os olímpicos, novos influenciadores

    En los Juegos Olímpicos, los aficionados contemporáneos no sólo animan a los atletas de su país, sino también a sus influencers y estrellas de las redes sociales. El atleta paralímpico estadounidense Hunter Woodhall tiene 2,6 millones de seguidores en TikTok, la jugadora estadounidense de voleibol April Ross está en la plataforma Cameo, y Tom Daley ha documentado su viaje a Tokio, donde acaba de ganar una medalla de oro, para sus 900.000 suscriptores de YouTube.

    Y es que son muchos los deportistas que han ganado followers internacionales gracias a ser descubiertos de forma global durante los juegos, llegando a ganar de la noche a la mañana miles de followers.

    El kárate, el skateboard, la escalada deportiva y el surf -todos ellos deportes que resuenan en un grupo demográfico más joven- contribuyeron sin duda a impulsar el tráfico hacia TikTok. Las ganadoras del podio de patinaje callejero femenino tenían 13, 13 y 16 años, y la medallista de plata, la brasileña Rayssa Leal, tiene 3,4 millones de seguidores en TikTok, la mitad de sus 6,5 millones de seguidores en Instagram. 

    La patinadora filipina Margielyn Didal publicó una foto junto a Tony Hawk, considerado el mejor patinador de todos los tiempos, en la cual se sumó a la broma habitual de Hawk de que a menudo la gente no lograba identificarle en lugares públicos. Cuando su publicación fue interpretada por muchos como que Didal no era capaz de reconocer a Hawk, el propio Tony tuvo que dar explicaciones de que todo se trataba de una broma.

    Erik Shoji, un jugador de voleibol estadounidense, se ganó la atención con reseñas de comida en TikTok y recorridos desde la villa de los atletas, junto con miradas entre bastidores de la experiencia del atleta. No se tomó en serio las redes sociales hasta que abrió un canal de YouTube el año pasado mientras luchaba contra el COVID. 

    La piragüista australiana Jessica Fox, por otro lado, en lugar de hacerse famosa por ganar el oro en eslalon de canoa o el bronce en eslalon de kayak, saltó a la fama al publicar un vídeo en TikTok en el que alguien utilizaba un condón para reparar el morro de su embarcación. 

    Incluso el perfil oficial de los Juegos Olímpicos se ha disparado con más de tres mil millones de visualizaciones de vídeos relacionados con su reto #EspírituOlímpico. Es más, las cuentas oficiales de TikTok, Instagram, Facebook, Twitter y Weibo generaron 3.700 millones de interacciones, alcanzando combinadas un total de 75 millones de seguidores.

    Millennials, geração Z, visibilidade e good vibes

    Outro dos destaques é sem dúvida o companheirismo, algo que muitos têm apontado, o bom relacionamento geral entre os atletas, os gestos de solidariedade e as celebrações como amigos dos triunfos alheios.

    Na decisão de dividir a medalha de ouro entre o Qatar e a Itália no salto à vara masculino, a comemoração do ouro dos nadadores americanos e o recorde mundial do sul-africano Schoenmaker como se fossem seus. Existem muitos exemplos de espírito desportivo e companheirismo genuíno que estes jogos deixam para trás.

    Record mundial de Schoenmaker

    A cultura popular e os programas favoritos de muitos também entraram nas competições. Sem dúvida um ponto que mostra que as novas gerações não têm medo de mostrar as suas paixões e dar um toque de diversão à concorrência.

    Os fãs de “Avatar: o último mestre do ar” foram, sem dúvida, os mais comentados, tendo a série uma representação mais marcante tanto no windsurf como na natação sincronizada, graças ao representante dos Países Baixos e aos representantes mexicanos.

    Kiran Badloe airbender

    Kiran Badloe decidiu decorar o seu cabelo com a característica flecha azul dos mestres do ar, os mestres do vento da série animada Avatar, mostrando que o vento estava ao seu lado na competição. Realmente estava: ele levou o ouro na categoria RS: X.

    A dupla de natação sincronizada do México não ficou muito atrás. As nadadoras Nuria Diosdado e Natalia Jimenez representaram as quatro nações da série nos seus uniformes e na sua rotina, gerando um grande rebuliço nas redes.

    Outro momento popular tem sido a rotina e roupa de ginástica rítmica da equipa do Uzbequistão, inspirada em Sailor Moon.

    Tendências mais engraçadas

    Nem todos os momentos dos jogos olímpicos são o que podem ser descritos como “saudáveis”, surgiram novos memes e outros reincidentes, como a cara dos saltadores de trampolim, que já é um clássico.

    Dentro disto, dois pontos em particular sem dúvida se destacaram: um que explicaria o aumento de followers de alguns dos atletas e outro que mostra porque é necessário ter empatia ao falar dos outros.

    Primeiro, podemos destacar como diferentes países encontraram o seu apelo nos concorrentes, despertando interesse noutros lugares, vizinhos ou distantes, o que certamente acabará por definir viagens futuras, assim que elas se tornarem reais.

    Um exemplo é o do karateca espanhol Damián Quintero, que depois de passar pelos Jogos Olímpicos atingiu 149 mil seguidores, enchendo os seus posts com comentários em diferentes idiomas. O atleta tem despertado paixões principalmente no país japonês, conquistando milhares de fãs.

    karateka Damian Quintero

    Do outro lado da moeda, encontramos Novak Djokovic. O sérvio foi questionado sobre a pressão na hora de competir, algo que muitos relacionaram à saída temporária de Simone Biles dos jogos e ele respondeu que a pressão é positiva e que devemos aprender a administrá-la … para dias depois ter um ataque de raiva durante a partida em que foi jogado o bronze.

    Esses comentários infelizes, nos quais ele se referia a si mesmo e não à americana, desencadearam uma enxurrada de memes nas redes sociais.

    Djokovic meme

    Mas este não tem sido o único meme popular, a celebração do técnico australiano Dean Boxall também foi viral, assim como muitos outros momentos, aqui estão alguns deles:

    Dean Boxall

     

    Otro de los memes y temas más comentados (pt translation)

    Pesquisa sobre a história dos Jogos Olímpicos com base em dados

    Quer saber mais sobre como pesquisar dados e tendências através do estudo de dados? Os nossos colegas da SHARE Creative, outra agência que faz parte do ecossistema Samy, criaram um interessante artigo com base em dados extraídos da história dos Jogos Olímpicos, onde pode ver um pouco mais como trabalhamos com esse tipo de informação.

    Pode dar uma vista de olhos aqui (em inglês). Poderá descobrir os países com maior número de medalhas, em que desportos há um claro domínio de um país, de onde vêm os medalhistas com mais medalhas e muito mais, como exemplo da nossa competência em dados.

    Quer aprender mais sobre nossos métodos?

    Se deseja saber mais sobre como funciona nossa equipa de inovação e por que somos profissionais em dados e social listening, entre em contato connosco aqui.

     

    Source: Social Listening realizado a través de Synthesio, Market Insider, USA Today, Twitter, GimmeSport, The Star
  •  

    Métricas de dados sobre Influencer Marketing

    Que as campanhas com influenciadores geram benefícios, é algo indiscutível. As ações com influenciadores geram 11 vezes mais ROI que as ações tradicionais de marketing. Além disso, BrandManic afirma que, de acordo com os seus dados, até 92% das pessoas estão dispostas a confiar em opiniões pessoais sobre marcas, mesmo sem conhecer a pessoa que faz a recomendação.

    Mas estes não são os únicos dados que sustentam os benefícios das campanhas com perfis. Segundo Postcron e Grou, 94% das equipas de marketing que utilizaram influenciadores nas suas campanhas, considera que é uma estratégia eficaz e a taxa de retenção de clientes conquistados com a recomendação é 37% maior.

    Tal como outros tipos de campanhas de marketing, saber a forma correta de realizá-las e saber escolher o influenciador adequado é essencial. Mas como se pode saber se a campanha com os perfis deu certo?

    A chave está em saber ler os números, ter os dados reais dos perfis e encontrar aquele que melhor se adapta às nossas necessidades.

    Escolher o perfil adequado

    Existem muitos tipos de influenciadores, tantos que dedicamos um artigo sobre o tema neste mesmo blog. Dependendo da campanha a ser realizada, será necessário ter um perfil específico, definido pelo seu estilo, público, número de seguidores, entre outras coisas.

    Embora à primeira vista não pareça uma tarefa demasiado complicada, é aconselhável contar com a ajuda de especialistas, já que às vezes um perfil pode ser considerado perfeito para a apresentação de um produto, quando na realidade o público-alvo está entre os seguidores de outro tipo de influenciadores.

    Uma das formas mais eficazes de conhecer quem fala realmente sobre nós e descobrir se temos o nosso público-alvo reservado é através do Social Listening. O research ajuda também a conhecer o tipo de insights úteis para criar o conteúdo adequado.

    Conhecer os números aproximados dos influenciadores

    Nem tudo é medido em número de seguidores. São muitos os influenciadores que contam com um grande número de seguidores mas, mesmo assim, não geram o engagement desejado para as nossas campanhas.

    Além disso, depende da ação que queremos realizar. O nosso objetivo pode ser atingir um público mais nicho, pelo que a procura por perfis com grandes números nem sempre é a melhor.

    Na SamyRoad contamos com uma ferramenta apropriada para a procura dos perfis adequados. Podemos ainda conhecer a eficácia real destes influenciadores e monitorizar a campanha do princípio ao fim para conhecer a eficiência real da mesma.

    Conheça os números finais

    É importante conhecer as interações, views e impactos reais dos conteúdos gerados durante a campanha para realmente saber se esta foi eficaz. O marketing de influência deve ser, assim como o tradicional, um marketing suportado por dados.

    Para chegar a este tipo de informação, é necessário ter ajuda de agências ou especialistas habituados a lidar com perfis, e também saber como lê-los.

    Precisa de ajuda na sua campanha de marketing de influência?

    Na SamyRoad, trabalhamos em marketing de influência há uns anos, ajudamos mais de 200 marcas e contamos com uma ferramenta própria de medição e rastreamento para saber a performance de diferentes perfis e ajudá-lo a encontrar os adequados.

    Se quiser saber mais sobre o tema ou como podemos ajudar, contacte-nos.